sábado, 4 de abril de 2009

Assim é a segurança pública do governador José Serra


Uma operação da Corregedoria da Polícia Civil e dos promotores do grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) fechou ontem o 41º Distrito Policial, na Vila Rica, na zona leste de São Paulo. Os corregedores cercaram a delegacia às 9h40 atrás de 21 carros alienados que deviam, por ordem judicial, ser apreendidos, mas que estariam sendo negociados dentro do pátio da delegacia. A ação surpreendeu um informante trabalhando no plantão da delegacia como se fosse policial e apreendeu cerca de R$ 30 mil e uma porção de cocaína escondidos em um fundo falso.

A maioria dos carros no entanto, havia sumido do estacionamento da delegacia, agora chamado de "pátio dos milagres". O trabalho na delegacia foi interrompido durante a ação dos corregedores, que revistaram todas as salas do 41º DP. No fim da tarde, o titular da delegado, José Eduardo Ferreira Ielo e os chefes dos investigadores e dos escrivães da delegacia foram afastados. Conforme ordem do secretário da Segurança Pública, Antônio Ferreira Pinto, Ielo ficará em cargo burocrático enquanto durar a investigação do caso.

Durante 15 dias, o movimento na delegacia foi filmado por uma equipe da TV Globo. Carros que deviam ser apreendidos formalmente eram estacionados na delegacia sem que isso fosse registrado. A suspeita é de que, em vez disso, os policiais vendessem os carros. Não era qualquer pessoa que tinha acesso ao lugar. Recentemente dois portões foram construídos para controlar o acesso ao local. Um deles tem controle remoto e só deviam ser estacionados ali carros de policiais e veículos apreendidos - vítimas de crimes e advogados podiam usar um outro estacionamento.

Entre os veículos que deviam ter sido apreendidos pelos policiais e não foram está um Renault Scénic e um Audi A3 - só dois Gol e um Corsa da lista estavam ontem no pátio. Os corregedores e os promotores querem agora saber o destino dos carros. Quando eles chegaram à delegacia, um homem saiu correndo do prédio do 41º DP e pulou o muro dos fundos.

Os corregedores apanharam o suspeito que tentava fugir. Tratava-se do ex-escrivão de polícia Wagner Alves da Costa. Em seu bolso havia R$ 1 mil e a chave de um Gol parado no pátio da delegacia. No veículo havia uma porção de cocaína e, em um fundo falso, cerca de R$ 30 mil. O carro tinha ainda uma sirene da polícia e algemas no porta-luvas.

Costa foi levado à corregedoria, onde foi autuado em flagrante por posse de droga e falsidade ideológica, pois ele se apresentaria como policial e daria plantão na delegacia. "Olha, eu estou aqui há cinco meses e nunca vi nada. Eu estou surpreso", disse Ielo, então titular do 41º DP.

Além do falso policial, os corregedores buscavam máquinas de caça-níqueis no distrito. Verificavam denúncia de que, mediante propina, integrantes da máfia do jogo liberariam caça-níqueis apreendidos, que seriam trocados por máquinas velhas.Após a ação dos corregedores, a delegacia voltou a atender a população.

1 comentários:

Waltinho Araujo disse...

eu Walter de araujo e edivaldo da silva luz, fomos demitidos da policia civil por estar trabalhando em desacordo com portaria da SSP/ cumprindo plantao de 24/24 hs, em cadeia sem segurança nenhuma, ..... alguns da Policia Civil so trabalha onde tem dinheiro envolvido, .cadeia neles...quero o que me foi roubado de volta...

Postar um comentário

Ver e Rever Copyright © 2011 | Template created by Ver e Rever | Powered by Blogger